segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

10 Dias | 10 Abordagens Prioritárias para a Cidade (2º)


O segundo lugar o pódio vai para a modernização da ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA.

Se a nível de serviços autárquicos estamos muito bem serviços... mesmo com alguns gabinetes raros em Portugal, a nível de serviços da Administração Central Santa Maria da Feira tem um longo caminho a percorrer.

A encabeçar a lista de necessidades eminentes, salta à vista a ausência de um Centro de Emprego. Durante muitos anos nem pressão se fez para que tal estrutura pudesse abrir na Feira. Apenas na última meia década se têm dado passos nesse sentido... numa altura em que o Centro de Emprego de São João da Madeira está a rebentar pelas costuras.
O processo vem-se arrastando... em SJM o atendimento complica-se a cada dia que passa e mais de metade dos inscritos são feirenses. Sendo assim, então porque tarda em surgir a resposta a esta carência?
Muito recentemente, Costa Amorim fez requerimento na Assembleia da República e apelou à sensibilidade do Ministério do Trabalho e Segurança Social para o assunto... esperemos que a resposta surja a curto prazo.

Por outro lado temos o processo de instalação da Loja do Cidadão a precisar de rumo rápido.
Santa Maria da Feira conseguiu elaborar um dossier em que cria condições excelentes para a instalação da Loja, cumprindo todos os requisitos, incluindo o custo... mais barato não há! Mesmo assim, o processo tem sido sucessivamente adiado...

Por último deixo uma questão: em que estado está o processo de modernização das Finanças? Por todo o país decorrem obras... mas a Feira apenas recebeu uma nova estrutura de publicidade!

No que à Câmara Municipal diz respeito, discordo em absoluto da construção de novo edifício junto dos Bombeiros. A saída dos serviços municipais da zona histórica seria a morte daquela zona. Considero mais viável a compra integral dos edifícios da Praça da República, criando nas traseiras das antigas instalações do Jornal Correio da Feira um novo edifício, que ficaria ligado por passagem subterrânea às actuais instalações. Isto permitiria a concentração de mais serviços naquele espaço... eliminando as rendas mensais a pagar pelos 3 espaços na Rua Jornal Correio da Feira (torre por cima da Caixa Geral de Depósitos, 1º piso de edifício habitacional e lojas da antiga biblioteca) e pela loja na Rua Dr. Vitorino da Sá (departamento de acção social).

3 comentários:

Pedro disse...

Um centro de emprego na Feira já é ma necessidade muito grande, tanto para servir a população feirense, como para libertar um pouco o de São João da Madeira. Não conheço o dia-a-dia do centro de emprego de São João, mas pelo que li, já me bastou.

A Loja do Cidadão eu ainda não compreendi o porquê de não se ter instalado na Feira, uma vez que já tinhas as condições asseguradas por parte da Câmara da Feira. Enfim, coisas do nosso triste Governo...

As Finanças também desconheço o caso, as pelo que me dizes, é caso para dizer mais uma vez... ENFIM....

Em relação à Câmara Municipal, não gostei da ideia de adaptar os edifícios das antigas instalações correio da feira e passaram de um para o outro por uma passagem subterrânea! Aqueles edifícios podem ter outra utilidade! Restaura-los e adequa-los a comércio que traga de volta a vida que se está a perder naquele espaço. Retirar os serviços da torre da caixa geral de depósitos, e retirar alguns ao edifício antigo, e fazer o edifício a beira dos bombeiros, com um parque de estacionamento que pudesse servir tanto esse edifício como todo o centro da Feira.

Um ponto que queria acrescentar, talvez na Cultura, que é uma falha e que nunca me lembrei. Durante a semana estou no Porto, e já reparei que em todos os edifícios históricos há uma placa em Português e em Inglês com o nome do edifício como também a sua história.
Confesso que nem eu próprio sem muitas das histórias dos nossos edifícios.

Faço aqui uma proposta, já estive fora do país a passar férias, e fiz um percurso turístico numa cidade, demorou um dia inteiro. Como não vêm muitos turistas para a Feira vamos busca-los ao Porto, e como? Com excursões organizadas, e até poderá ser ao Entre Douro e Vouga.

Se alguém ler isto que pense nesse assunto... Bom para o Concelho da Feira, para a Área Metropolitana do Porto e bom para o país!

bc23 disse...

Quanto à Loja do Cidadão, todos os concelhos portugueses vão ter uma até 2014... a Feira conseguiu criar condições fantásticas, de tal modo que foi mesmo solicitada ampliação da área para a loja... espero que a tenhamos a funcionar muito antes do distante ano de 2014.

Quantos às placas de informação cultural de edifícios históricos já estamos a entrar mais nas actividades da junta... e quando nem placas de toponímia temos na maioria das ruas... nem vale a pena pedir outra coisa antes!

Essa ideia de ir buscar turistas ao Porto está, supostamente em marcha. A adesão à região de turismo Porto e norte de Portugal tem esse objectivo principal... o primeiro passo já se viu em 2009, quando a Camara da Feira abandonou o stand individual na BTL para se integrar na AMP. Vamos a ver como orre!

Mafalda disse...

Só uma achega... se alguém me estiver a ouvir... e sinais de aproximação de escola que NÃO existem junto ao JI Montinho?